[Redding] - The places I have ran to all my life have disappeared

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Redding] - The places I have ran to all my life have disappeared

Mensagem por Pandora K. Lancaster em Ter Fev 17, 2015 8:25 pm

Posto Ipiranga
♠ Para avaliação ♠
• 1x Chave de SUV
• 1x SUV Branca [gasolina 3/4]
• 1x Pá velha
• 1x Galão de gasolina 20L [cheio]
• 1x Colt M1911 semi automática [8/10]
• 1x Mapa rodoviário dos EUA
• 2x Cartuchos .40 S&W [10/10]
• 3x barrinha de cereal sabor limão
• 2x garrafa de água 500 ml [500/500]
• 1x pente de madeira
• 2x barbeadores descartáveis
• 1x lanterna
• 2x Pilhas
• 1x lona azul 4mx3m
• 1x Mochila com roupas

♠ Itens Pessoais ♠
• Cantil de água [550/750]
• Canivete
• Isqueiro
• Katana Musashi: Black Flower

♠ Considerações ♠
• Estado: Tranquila
• Velocidade atual: 80 km/h

♠ Itens Usados ♠
• 1x Pacote de lenços umedecidos































What do I have to do?
They tell me this thing inside of me wants to get out all it does is scream and shout i'm trying not to let them out they tell me to hurt myself but I'm not gonna listen ---------------------------------------


Uma das piores partes de se viajar a pé era a grande probabilidade de se chegar à noite na próxima cidade.

O céu estava nublado quando pus os pés em Redding, a lua me ajudava iluminando o máximo que conseguia. Eu ainda cheirava a sangue de Walker, o que era bom ao menos naquele momento, pois caso aparecesse algum, eu poderia despistar facilmente.

Vaguei a procura de um carro que possuísse uma das portas destrancadas, já que não seria muito inteligente entrar em uma casa sem lanterna.
Avistei ao longe uma SUV branca de vidro fumê. Me aproximei cautelosamente, avaliando a possibilidade de haver alguma pista visível de que houvesse um deles dentro do veículo.

Dei um chute em um dos pneus traseiros tanto para balançar o carro como para checar se o pneu estaria cheio o suficiente para suportar uma viagem. Uma mão bateu do lado de dentro do vidro da porta a qual eu estava em frente.

Puxei o canivete de dentro do short jeans e abri a porta, ele mal teve tempo de reagir, pois eu já fui na certeza de atingir seu olho.
Puxei-o pela cabeça e pelos braços até que saísse por completo do carro, peguei o canivete de volta e dei uma olhada nos bancos da frente, me esticando até o banco do motorista para pegar as chaves.

Saí do carro e fechei a porta, indo em direção ao porta malas, na esperança de encontrar algo que pudesse me ser útil.
Ao levantar a porta, havia uma pá velha jogada por cima de uma lona azul e um galão de gasolina de 20 litros cheio no lado direito. Peguei a lona e sacudi um pouco para tirar a poeira, fechei a porta traseira e peguei a chave de volta, pondo-a no meu bolso.

Arrastei a lona até a porta á direita e a dobrei, como se fizesse uma espécie de cobertor para por no banco de trás. Abri a porta e a arrumei no banco, entrando e fechando a porta atrás de mim.

Retirei a espada e a pus no piso do carro, enquanto desamarrava o casaco roxo de minha cintura e fazia um travesseiro improvisado com ele. Tranquei as quatro portas com a chave, pondo-a de volta em meu bolso e deixei o cantil de água no piso junto do pacote de biscoitos e lenços umedecidos.

Ouvi o som de grunhidos e abri os olhos num pulo, batendo a cabeça no teto. Murmurei um xingamento e esfreguei a mão no local. Ao olhar pela janela, havia um Walker passando sendo seguido por três ou quatro. Sentei e me escondi atrás do banco do passageiro, vendo-os irem embora até uma distância segura. Passei para o banco da frente e abri o porta luvas, geralmente sãs pessoas tinham armas em seus porta luvas, e aquele carro não era uma exceção.

Dentro havia uma pistola colt M1911 carregada, junto de dois cartuchos .40 S&W e um mapa rodoviário do país com rotas marcadas.

Joguei o mapa no banco do motorista e peguei a pistola, pondo-a no bolso de trás. Fechei o porta luvas com os cartuchos e peguei a Katana junto com o canivete e o pacote de lenços umedecidos, destrancando a porta da frente e saindo do carro.

Os walkers estavam longe o suficiente para que não me vissem ou ouvissem, mesmo assim fechei a porta com cuidado, me certificando de que estaria bem trancada.
Eu precisava encontrar uma casa para assaltar o mais rápido possível, o número de walkers naquela cidade era alto se comparado aos de Shasta,

Caminhei perdida por entre as ruas daquele lugar, quanto mais próximo fosse a casa de onde meu carro estava estacionado, melhor.
Avistei duas casas próximas à esquina, ambas separadas por uma travessa, sendo que a da direita possuía uma caminhonete vermelha estacionada.

Puxei a arma do bolso, empunhando-a até a casa da esquerda. Abri a maçaneta cautelosa, empurrando a porta que rangeu lentamente. Peguei um retrato que estava próximo a janela e o arremessei contra a parede causando um barulho de vidro quebrado, para saber se havia mais alguém além de mim ali.

Havia um corpo na sala, sinal de que alguém havia passado por ali antes de mim, o que não era lá muito agradável. Guardei a arma no bolso e abri a janela mais próxima, desovando o corpo ali mesmo.

Fechei a janela e peguei a katana, colocando-a em punho. A verifiquei cozinha e o banheiro e ambos estavam limpos. Ouvi barulhos vindos de um dos quartos, como se fossem arranhões contra a porta e grunhidos.
Suspirei, guardei a katana e peguei a pistola, revirando os olhos caminhei até o tal quarto.  Ao chutar a porta me deparei com dois deles logo de uma vez, recuei dois passos assustada e desferi dois tiros contra ambos.

Ainda assustada, guardei a pistola no bolso, minhas mãos tremiam e meu coração estava acelerado, não só por serem dois como por estarem tão perto de mim.
Após me recuperar do susto, desovei os corpos pela janela e a fechei, vasculhei o outro quarto e este também estava limpo.

Voltei a sala, fechando a porta da frente empurrando um sofá até a mesma como bloqueio caso tentassem invadir.
Me desarmei, jogando a katana e a pistola no outro sofá. Diferente da casa anterior aquela era “recente”. Haviam suprimentos nos armários e banheiros ainda. Fui até um dos quartos e peguei uma mochila, esvaziei-a e levei até a cozinha, pegando o que pudesse, tais como barrinhas de cereal e garrafas de água.

Levei a mochila a todos os cômodos, recolhendo o que pudesse. No segundo quarto, consegui algumas roupas e a levei á sala, as roupas que sobraram peguei e as levei ao banheiro junto de uma garrafa de água.

No banheiro, tranquei a porta e me despi, abrindo o pacote de lenços umedecidos, não era a melhor coisa do mundo, mas era o que eu tinha. Vasculhei as gavetas e encontrei um pente de madeira e três barbeadores. Joguei o pacote por cima das roupas e peguei um dos barbeadores, me sentando no apoio da pia enquanto fazia a depilação.

- Faz tempo que eu não me sentia assim. – Murmurei com um sorriso, enquanto usava a garrafa de água para lavar o cabelo com os tubos de shampoo e condicionador que eu havia encontrado no armário de cima. Penteei os cabelos com o pente de madeira e vesti a nova roupa, levando o pente e os barbeadores para a sala, pondo-os na mochila.

Calcei as botas e peguei a pistola e a katana com a bainha, pondo a primeira no bolso esquerdo da calça. Fui ao quarto e pus a mochila nas costas junto da bainha da espada. Voltei ao banheiro para pegar as chaves que tinha esquecido no bolso do short jeans e saí pela porta dos fundos.

Me aproximei da caminhonete vermelha e chutei seu pneu. Silêncio. Procurei por uma pedra próxima dali e a arremessei contra o vidro do carro, após o vidro estraçalhado, abri a porta do passageiro por dentro e abri o porta luvas, encontrando uma lanterna carregada e duas pilhas.

Joguei ambas dentro da mochila, voltando para meu carro.

Ao entrar, fechei a porta, jogando a espada no banco de trás junto da mochila. Deixei a pistola no banco ao lado peguei o mapa que havia deixado ali jogado, as duas rotas que estavam marcadas partiam de Redding, a verde levava a Washington e a azul levava ao Texas. As palavras capital e refúgio estavam escritas respectivamente.
- Capital? – Pergunto a mim mesma. Jogo o mapa de lado e ligo o carro que não demora muito a pegar. Walkers batiam na janela e o contador apontava ¾ de gasolina restante, o que era um bom número. Pisei no acelerador e os deixei para trás, rumo à saída da cidade.


Redding | Califórnia | Tranquila




avatar
Pandora K. Lancaster
Nômades
Nômades

Mensagens : 17
Data de inscrição : 14/02/2015
Idade : 20
Localização : Indefinida

Ficha do personagem
Espécie :
Energia :
70/110  (70/110)
Vida :
100/110  (100/110)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Redding] - The places I have ran to all my life have disappeared

Mensagem por Jace Louis Sefton em Qui Fev 19, 2015 9:46 pm

Avaliação

Ortografia: 9
Criatividade: 8
Narração: 8
Senso de trama: 9
Carisma: 8
9+8+8+9+8x2= 84xps
-10 de MP

Itens não avaliados

Atualizado por Clarisse.

_________________


Mister Badass
"Não importa qual seja a verdade, as pessoas vêem o que querem ver."
Maay ₢

avatar
Jace Louis Sefton
Senado
Senado

Mensagens : 74
Data de inscrição : 26/01/2015
Idade : 37

Ficha do personagem
Espécie : Sobrevivente
Energia :
240/240  (240/240)
Vida :
240/240  (240/240)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum